domingo, 1 de junho de 2008

Cherry Smash: A qualidade dos ingredientes é determinante

Tal como para a maior parte dos fãs da nossa Selecção, ontem foi dia de estágio, isto é, dia de ensaiar a melhor forma de apoiarmos os nossos jogadores. Estamos preparados!
Depois de alguns excessos (provocados não por este cocktail, mas umas infames mas muito boas Margueritas de morango), parece-me boa ideia aproveitar para escrever sobre cocktails, enquanto ainda pago pela minha falta de contenção…
A principal razão pela qual ainda não dei o Cherry Smash a experimentar a ninguém é que não consegui encontrar os ingredientes com a qualidade desejada. Passo a explicar: tive de usar “cocktail cherries” de conserva, que de tantos conservantes, corantes e sabores artificiais, pouco têm do seu sabor original. Historicamente usavam-se cerejas ou ginjas embebidas durante algumas semanas em cognac ou outra bebida alcoólica.
Confesso que ainda não fiz a minhas próprias cerejas de conserva, mas tenho de passar a fazê-las, logo que acabe o stock das que comprei, que ainda que sejam melhores que o normal, pouco acrescentam para além do sabor de frutas cristalizadas. Cerejas frescas seria certamente uma escolha mais acertada, mas…vivendo e aprendendo!
Retirei esta bebida do Imbibe! do David Woodrich, que tem no final vários cocktails modernos, inventados por mixologistas no activo, mas inspirados pelo “professor” Jerry Thomas. Esta é uma receita original da Julie Reiner.

Cherry Smash
1 ½ oz. Courvosier VS Cognac (eu usei Henri Maison VS)
¾ oz. Orange Curaçao
¾ oz. de sumo de Limão
½ oz. Cherry Heering

Esmagar (muddle) 4 cerejas de conserva no copo de mistura,
Adicionar os outros ingredientes e agitar (shake) com gelo,
Servir (strain) num copo de cocktail.
Enfeitar (garnish) com 2 cerejas (estas podem ser das artificiais)

1 comentário:

Di disse...

E sim, agora que tens a família quase toda a mandar bitaites para o teu blog, a coisa começa a melhorar um bocadinho.. ;)